Sobre o blog:

“A humanização do nascimento não representa um retorno romântico ao passado, nem uma desvalorização da tecnologia. Em vez disso, oferece uma via ecológica e sustentável para o futuro” Ricardo H. Jones

domingo, 11 de novembro de 2007

Náuseas e vómitos

As náuseas e vómitos estão entre os sintomas mais frequentes,
os mais característicos e talvez os mais incómodos do início
da gravidez. Quase 75% das gravidas apresentam
náuseas, e uma em cada 10 apresenta persistência do distúrbio
depois do primeiro trimestre. Apesar do nome popular “enjoo
matinal”, muitas mulheres têm o sintoma durante todo o
dia. Frequentemente é mais intenso e mais duradouro nas
mulheres com gravidez múltipla.
Felizmente, a forma mais grave de náusea e vómito
(hiperêmese gravídica), com desidratação e distúrbio
eletrolítico, é rara.

As causas de náuseas na gravidez ainda são desconhecidas,
e a variedade de tratamentos recomendados reflecte as muitas
teorias sobre as causas. Como poderia ser esperado de uma
condição auto limitada, estudos não-controlados desses “tratamentos”
mostraram resultados sensacionais, mas falsos. Em
contraste, os resultados dos estudos controlados foram menos
impressionantes.

Recentemente, o uso de antieméticos diminuiu devido a
temores possivelmente justificados dos efeitos da medicação
sobre o feto. Frequentemente são preferidas condutas não farmacêuticas
para aliviar náuseas e vómitos, particularmente
durante as primeiras semanas, quando o feto em desenvolvimento
é mais vulnerável. Sugestões comuns sobre repouso
e dieta para mulheres com náuseas ou vómitos durante a
gravidez não foram avaliadas em estudos randomizados, mas
tendem a ser inofensivas, e podem ser úteis. Pequenas quantidades
de carboidratos, como biscoitos ou bananas, podem
aliviar algumas mulheres, e se forem retidas proporcionarão
a nutrição necessária. O repouso pode ser impossível quando
as mulheres têm outras responsabilidades, como um
emprego ou filhos pequenos, mas pode ser útil quando possível.

Uma conduta não-convencional, que utiliza acupressão no
ponto Neiguan (P6) no punho, foi avaliada em vários estudos
randomizados controlados por placebo. Os estudos foram pequenos,
mas sugerem que a acupressão pode reduzir a frequência
de náusea persistente. As pulseiras antienjôo comuns usadas
para enjôos em viagens podem ajudar algumas mulheres,
e não tendem a causar danos. O papel da acupressão merece
avaliação adicional.

A vitamina B6 (piridoxina) foi testada em dois estudos. Seus
resultados sugerem que a vitamina B6 pode ser efectiva na redução
da intensidade da náusea, mas não está claro em que
grau. As indicações de qualquer efeito sobre o vómito são
inconclusivas. No caso de hiperêmese, o gengibre em pó e o
ACTH foram comparados com placebo, mas esses estudos
foram pequenos demais para permitir quaisquer conclusões
fidedignas.

Vários estudos, realizados principalmente nas décadas de
1950 e 1960, demonstraram que diversos anti-histamínicos
são melhores que os placebos. Um estudo da dramamina
mostrou que ela é menos efectiva isoladamente do que quando
associada à benzilamina. Os anti-histamínicos simples geralmente
são considerados seguros durante a gravidez, embora
algumas vezes causem efeitos colaterais perturbadores. Não foram realizados grandes
estudos epidemiológicos para pesquisar possíveis efeitos adversos
sobre o feto.

Antigamente, a droga mais usada no tratamento de náuseas
e vómitos da gravidez era uma substância contendo o antihistamínico
succinato de doxilamina e piridoxina (comercializada
como Debendox no Reino Unido, como Bendectin nos
Estados Unidos e no Canadá e como Lenotan em alguns outros
países). Os três pequenos estudos controlados com placebo
publicados fornecem indicações razoáveis de que o Debendox
aliviava as náuseas durante a gravidez. Foi retirado do mercado
em 1983 em consequência de processos judiciais contra os
fabricantes. Houve alegações de que a droga causara malformações
congénitas quando usada na gravidez. Na época de seu
recall, o Debendox havia sido usado por mais de 30 milhões
de mulheres em todo o mundo. Em muitos países, um quarto
a um terço de todas as gestantes usaram Debendox. Se as
malformações congénitas ocorrem em 3,5% dos bebés, apenas
acidentalmente o Debendox teria sido usado pelas mães
de mais de um milhão de bebés nascidos com malformação
congénita. Na inevitável busca do que pode ter causado as
malformações nas crianças, não causa surpresa que muitas mães
tenham apontado o Debendox.
O processo ocorreu apesar de muitas evidências contra o fato
de o Debendox ser teratogênico. Nos 19 estudos epidemiológicos
sobre o Debendox, há um amplo consenso de que a droga
não está associada a aumento do risco de malformações congénitas.
Apesar da súbita retirada do Debendox do mercado, não
houve redução correlacionada na incidência descrita de qualquer
grupo de malformações. A remoção do Debendox provavelmente
levou a aumento do uso de outros medicamentos para tratamento
das náuseas e vómitos cujo uso, isoladamente, foi submetido
a muito menos estudos em seres humanos.
Se for usado um antiemético durante a gravidez, a opção
actual frequentemente é um anti-histamínico. Essas substâncias
parecem ser eficazes, conforme demonstrado pelos estudos
iniciais, mas sua segurança não foi tão bem estudada.

adaptado do "Guia para atenção efetiva na gravidez e no parto"

11 comentários:

Anónimo disse...

Eu sou portadora de deficiencia fisica de MIE, rara,e minha mãe fez uso de Debendox durante a gestação.Ja fui submetida a mais de 20 cirurgias ortopedicas durante toda minha vida. Hoje tenho 44 anos sou Medica ,Mestra em dermatologia,e descordo do que foi colocado quanto ao debendox.Os trabalhos realizados sao pobres e não descartam a possibilidade de que ele possa levar a malfomações.
Concordo sim,que as gestantes devem evitar ouso deste e/ou outros medicaentos que não tenham estudos confiaveis qto a ma formação fetal, 3,5% pode ser pouco, mas qdo ocorre com voce ....vira 100%!

Anónimo disse...

Concordo com o comentário... sou portadora de ausência congênita da mão esquerda em consequência do uso do debendox pela minha mãe, e é muito fácil falar em estatísticas e probabilidades quando você não faz parte delas... medicamentos são perigosos e devem ser utilizados apenas quando são indispensáveis!!!

Anónimo disse...

Concordo com os dois comentários acima. Nasci com um rim defeituoso que teve de ser extraído e tenho mal formações das vértebras ao longo de toda a coluna vertebral. Minha mãe fez uso do debendox durante muito tempo na gravidez. Se cada um de nós se unir garanto que haverão outros com mal formações provocadas pelo uso desta droga.

Anónimo disse...

Usei o debendox durante toda a gravidez, tanto que, passados 29 anos ainda lembro o nome. Não fosse ele, não teria levado a termo a gestação, acho, de tãomal que me sentia. Minha filha (29 anos hoje) nasceu forte, saudável - sem nenhuma sequela.

Anónimo disse...

TENHO 3 FILHOS..2 MULHERES E UM HOMEM.NÃO CONHEÇO CASO DE MALFORMAÇÃO NOS MEUS ANCESTRAIS NEM NOS DA MINHA ESPOSA. ENTRETANTO MINHA ESPOSA DURANTE O
2º PARTO E O 3º, FEZ USO DE DEBENDOX, E OCORREU MAL FORMAÇÃO NOS PÉS E MÃOS DOS MEUS
2º E 3º FILHOS. A MAL FORMAÇÃO DO MEU TERCEIRO FILHO É MAIS SÉRIA.
RELACIONO ESTES FATOS AO DEBENDOX.
DURANTE A 1ª GESTAÇÃO MINHA ESPOSA NÃO USOU DEBENDOX E MINHA FILHA NÃO TEM QUALQUER PROBLEMA E NEM O MEU NETO, SEU FILHO.
NO ENTANTO A MINHA SEGUNDA FILHA QUE APRESENTOU MAL FORMAÇÃO NO PÉ E NAS MÃOS TEM UM FILHO, MEU NETO, QUE TEM MAL FORMAÇÃO NAS MÃOS.
COMO NÃO ASSOCIAR ISSO TUDO AO USO DO DEBENDOX, POR MINHA ESPOSA NA
2ª GESTAÇÃO, POR INDICAÇÃO MÉDICA?
COMO POSSO ME LIVRAR DESSE TORMENTO
QUE SINTO AMARGAR EM MIM QUANDO VEJO AS MÃOS DOS MEUS NETOS E PERCEBO A DIFERENÇA ENTRE ELES?
AÍ ME LEMBRO DESSE MALDITO NOME DEBENDOX.
ME CULPO POR OUVIR OS LAMENTOS DO MEU FILHO PELAS DORES QUE SENTE NOS PÉS E NAS MÃOS. E EU NÃO SEI O DIZER QUANDO VEJO UM COMENTÁRIO DE QUE NÃO É PROVÁVEL A CULPA DESSE DEBENDOX.ACHO QUE TENHO A "PIOR" PROVA DA CULPA DESSE "MEDICAMENTO".

mae de sao paulo abcd disse...

TENHO UMA FILHA COM DEFICIENCIA MULTIPLA COM APENAS 35 ANOS TAMBEM FIZ USO DO DEBENDOX PARA O CONTROLE DE NAUSEAS DESCOBRI ESTA SEMANA A CAUSA QUE MEDICO NUNCA DISSE O DIAGNOSTICO QUE DROGA MALDITA DEIXOU MINHA FILHA UMA CRINÇA EM UM LEITO POR VARIOS ANOS LUTAREI JUNTO POR QUE DIFILCULDADE E GRANDE MAE DE SAO PAULO ABCD

Debora disse...

Fico impressionada com os comentários sobre a medicaçáo Debendox, tenho um filho com trinta anos e na gravidez dele usei todos os dias essa medicação e nem sabia o que era só queria aliar o meu mau estar , só foi saber o risco que corria quando estava estudando para enfermagem. Com tudo só posso agradecer a Deus por ele ser saudável pois só hoje tenho consciência do risco que corri e nunca o meu médico me alertou////////////

claudia disse...

como tantos,tambem faço parte deste episódio,nasci sem a mão e aNTEBRAÇO ESQUERDO.acabei sabendo que foi debendox,porque até então achava que era talidomida,ia em busca de pensão e indenização mas... não temos direito?o medicamento estava sendo comercializado no brasil,quem repara o erro?claudia

Anónimo disse...

Gracas a Deus tenho 2 filhos perfeitos e usei debendox minha gestacao inteira nos anos 80. O dia em q me esquecia de tomar a noite; era impossivel sair de casa ao trabalho.

Unknown disse...

Nasci com os pés virados para dentro. Tive de ser submetido a cirurgia ortopedica quando ainda bebê. Minha mãe fez uso desse Debendox durante a gestaçao. Início da década de 70. Não havia casos de má-formação na família, portanto não acredito no resultado dessa "pesquisa" mencionada.

Unknown disse...

Isso chama-se sorte. Esse remédio provoca sim defeitos congênitos nos fetos.