Sobre o blog:

“A humanização do nascimento não representa um retorno romântico ao passado, nem uma desvalorização da tecnologia. Em vez disso, oferece uma via ecológica e sustentável para o futuro” Ricardo H. Jones

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Cem promessas para o meu bebé - Mallika Chopra

Um livro que me foi oferecido pela minha querida mãe... Amei!

"O mundo depende das escolhas feitas pelas mães. Vamos nos comprometer a ajudá-las a cumprir suas promessas" - Deepak Chopra

Maravilhada com a sensação de ser mãe ao longo da gravidez de duas filhas, Mallika Chopra começou a escrever promessas que gostaria de cumprir para que as suas meninas crescessem sentindo-se amadas e acolhidas.

Desse exercício nasceu cem promessas para o meu bebé , um livro encantador que nos faz reflectir sobre a importância dos vínculos

Contando belas histórias da tradição indiana, da sua vida e de suas descobertas como mãe, Mallika inspira-nos a construir laços de amizade, companheirismo, amor e respeito com nossos filhos.

Filha do médico e escritor indiano Deepak Chopra, a autora chama a atenção não só para o que podemos fazer pelas nossas crianças, mas para todas as coisas que nossos pais fizeram por nós.

Este é um livro para todos os que se preocupam em ser bons pais e em criar pessoas felizes e realizadas. As lições, reflexões e poemas apresentados por Mallika provocam questionamentos sobre as virtudes que desejamos passar, além de revelarem quais são as verdadeiras promessas que devemos fazer aos nossos filhos.


"Um dos momentos mais felizes e inebriantes da minha vida foi quando soube que estava grávida. Sentia-me maravilhada ao pensar que havia um ser crescendo dentro de mim. Passava horas visualizando meu bebê, falando e cantando para ele, acariciando-o e fazendo planos para nossa nova família com meu marido, Sumant.

Mas também, à medida que o amor pelo meu bebê crescia, comecei a me questionar se seria uma boa mãe. Eu saberia cuidar do meu bebê? Como contribuiria para sua felicidade ou infelicidade? Como poderia fazer com que meu filho ou minha filha fosse uma pessoa amorosa, íntegra, segura? Como conciliar limites e liberdade? A responsabilidade de ser uma boa mãe dominava meus pensamentos.

Mas, durante a gravidez, comecei a pensar no modo como tinha sido educada e a tomar consciência de como eu me sentira amada e como fora fácil nossa comunicação. Meu pai nos transmitiu desde cedo que o amor e a compaixão são os fundamentos da vida.

Decidi, então, comprometer-me a transmitir para a criança que esperava o que aprendera com meus pais, com outros membros da família, com ancestrais, com amigos e com minha própria experiência de vida. Queria proporcionar a Tara uma infância cheia de surpresas, magia, aventura e mistério. Senti intuitivamente que deveria começar a fazer isso enquanto ela ainda era parte de mim – de alguma forma sabia que minha filha me ouvia.

Nesse processo, percebi que a ligação entre os pais e seus filhos é a união mais importante que pode haver entre dois seres. Actualmente, a maternidade e a paternidade enfrentam grandes desafios, pois há muitos pais sozinhos, divorciados ou separados, pais de culturas diferentes, pais adoptivos, mais velhos ou mais jovens do que o padrão normal, pais pressionados pelo trabalho. Mas, qualquer que seja a situação, estamos todos envolvidos pelo papel que exercemos em moldar as mentes inocentes do futuro.

Como pais, possuímos a capacidade de criar novos cidadãos que têm o poder de mudar o planeta. Em um mundo povoado frequentemente por medo e violência, esse papel assume um carácter fundamental. Se nos comprometermos a ensinar aos nossos filhos amor, respeito, integridade e compaixão, estaremos cumprindo nosso dever de criar um mundo mais seguro e mais feliz para eles." - Mallika Chopra

2 comentários:

Raquel disse...

Olá Catarina,
percebo perfeitamente o que queres dizer, foi o meu livro de cabeceira durante a gravidez.

Chuva disse...

Foi-me oferecido pouco antes da minha filha nascer.
Só há pouco retomei os meus serões de leitura e vou pegar-lhe... o que já deveria ter feito há mais tempo.