Sobre o blog:

“A humanização do nascimento não representa um retorno romântico ao passado, nem uma desvalorização da tecnologia. Em vez disso, oferece uma via ecológica e sustentável para o futuro” Ricardo H. Jones

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

«O medo é o maior inimigo do parto»

Um momento que deveria ser de alegria e celebração é, muitas vezes, afectado decisivamente por temores mais ou menos difusos e sentido de responsabilidade mal dirigido. Quem o diz é Emílio Santos Leal, para quem falta poder às mulheres e humildade aos profissionais de saúde.

 

Tem um discurso calmo, pausado, quase que a medir todas as palavras. Receio de ser mal entendido? «Não. Essencialmente, a necessidade de fazer passar abertamente uma mensagem que deveria ser, mas não é, clara», afirma Emílio Santos Leal, uma das mais reconhecidas vozes espanholas na área da humanização do nascimento.

 

Ao contrário de vários nomes conhecidos no campo da obstetrícia, afirma não acreditar que exista um efeito directo entre a indução do parto, a administração de analgesia epidural e um desfecho por cesariana. Porquê?
Em meu entender, o efeito dominó começa muito antes de ser administrada qualquer substância à mulher.

 

Então começa quando?
Tem início com a atitude paternalista do profissional, ou profissionais de saúde que atendem a grávida em trabalho de parto, que assumem o papel de salvadores, como se o que estivesse a ocorrer não fosse um processo absolutamente natural, mas uma coisa perigosíssima, da qual é preciso salvar a mulher e o seu bebé. Esta é uma postura altamente incómoda para toda a gente: para os profissionais – absolutamente inválidos pelo medo que sentem – e para a mulher, dividida entre a confiança que deposita e o medo que vê nos olhos de quem supostamente a vai preservar de todo o mal. Esta é, para mim, a primeira peça do dominó.

 

O medo?
Sim. O medo é o maior inimigo do parto entendido como um processo comandado pela Natureza. E o que leva ao medo? Os fenómenos de paternalismo.

 

Como assim?
O paternalismo é algo que, numa primeira análise, parece positivo. «Vou salvar-te e, graças a mim, tudo irá correr bem. Por isso, confia». Este é o tipo de discurso que os médicos passam para as mulheres, durante a gravidez e no momento do parto. Ora, este tipo de palavras parecem ser boas mas são também uma das peças do dominó. Porque inferiorizam a mulher e lhe dizem que é incapaz, onde quem actua é a Natureza e, se algo correr mal, trata-se da Natureza também em acção. Quando se plantam grãos de trigo, alguns germinam e crescem, mas outros não vingam. O mundo natural é assim mesmo.

 

A mulher sente então que não tem capacidade, por si própria, de fazer nascer o seu filho e daí o seu medo?
Certamente.

 

Mas, em seu entender, o temor alastra também aos profissionais de saúde. De que forma?
Enquanto médico, quando sou paternalista com alguém, sinto-me o seu salvador. Isso engrandece-me e agrada-me, mas pago um alto preço. E essa factura é o peso do encargo por todo o processo de parto e a ansiedade com a perspectiva de que algo possa correr mal, porque as responsabilidades vão ser-me pedidas. Os médicos pedem às mulheres que confiem neles, mas elas percebem rapidamente que quem afirma que as irá salvaguardar de todo o mal está cheio de medo.

 

Há então um círculo vicioso de medo, da mulher para o médico e deste para a mulher.
Certamente.

 

E como é que se consegue romper esse círculo vicioso?
Consegue-se de duas maneiras. Uma é deixar que a mulher se prepare para o parto, usando livremente o que a Natureza lhe deu. O corpo da mulher está construído para parir de forma natural e quando se permite que confie nos seus próprios instintos e ritmos estamos a criar um ser realizado e poderoso. Mas não é fácil conseguir isso porque é necessária uma preparação que combata o medo inculcado de forma social durante tanto tempo e, mais concretamente, desde que a mulher sabe que está grávida. E também porque todo este poder – independentemente de ser o melhor para a mãe e o bebé – é também uma ameaça.

 

Uma ameaça para quem?
Vou dar-lhe um exemplo. Um médico acaba a licenciatura, realiza o internato, escolhe uma especialidade – neste caso a Ginecologia e Obstetrícia – investe anos nessa especialidade, entra para um ‘clube’ onde, supostamente, está quem mais sabe, fica habilitado a tomar decisões e, de repente, depara com uma confrontação a todo esse poder. Como é que um ser humano normal reage? Lutando contra todas essas hipóteses de confrontação e nem sequer admitindo que haja quem tenha mais saber e mais importância do que ele, porque então será posto em causa todo o investimento anterior.

 

Ou seja, faltam mais exercícios de humildade…
Com certeza. Mas falta também preparar as pessoas para o facto de que, num conceito de parto em que é dada oportunidade à Natureza de entrar em acção, a responsabilidade do que pode acontecer não é do profissional de saúde. Trata-se de um processo natural, fisiológico, onde quem actua é a Natureza e, se algo correr mal, trata-se da Natureza também em acção. Quando se plantam grãos de trigo, alguns germinam e crescem, mas outros não vingam. O mundo natural é assim mesmo.

 

A preparação tem de incluir ferramentas a usar para quando as coisas não correm bem?
Essa possibilidade é angustiante mas estou convicto de que em cenários de parto com pouca intervenção, as catástrofes ocorrem com muito menos frequência que em meios de alta intervenção. O que significa que nos primeiros casos, o parto não é menos seguro, é mais seguro. É mais difícil resolver uma dificuldade num parto de baixa medicalização, mas essa dificuldade acontece com muito menos probabilidade. Mas há que saber que as catástrofes podem sempre ocorrer e toda a gente tem de estar preparada para a possibilidade de ocorrerem catástrofes.

Reconhece que o seu discurso aparece como radical. Não teme que afaste mais pessoas do que atraia? Ao procurar a defesa de nascimentos centrados na mulher e no bebé, apareça como defensor da não-intervenção absoluta, sejam quais forem as dificuldades e os perigos?
Quero deixar um ponto muito claro. Não sou, de todo, apologista da eliminação da tecnologia e das intervenções, tanto na gravidez como no parto, desde que elas sejam necessárias e fruto de uma avaliação sólida. Por exemplo, na questão das ecografias. Defendo que devem ser realizadas pelo menos duas durante a gestação, para determinar a correcta idade gestacional e para que seja descartada a possibilidade de problemas. O primeiro ponto é importante porque – quando o parto acontece – temos de saber se se trata ou não de uma situação de pré-termo e agir em conformidade. Isto é, encaminhar a mulher para uma unidade hospitalar mesmo que os planos anteriores previssem um nascimento num outro contexto. No segundo ponto, por exemplo, quando detecto uma placenta prévia, sou o primeiro a defender junto dos pais que o parto deve ser realizado em ambiente hospitalar. Como vê, não sou radical!

 

Considera que a indução pode começar no contexto de relacionamento pessoal em que tem início o parto. Entende então que não existem, na esmagadora maioria dos casos, quaisquer razões para provocar um parto?
Existem situações em que induzir um parto – mesmo sem razões físicas patentes e válidas – pode ser positivo. Por exemplo, se a mulher chegar à conclusão de que não aguenta nem mais um dia grávida porque completou 40 ou 41 semanas, o bebé não nasce, está psicologicamente muito afectada por isso e pede para que provoquemos o nascimento. No ‘deve e haver’ entre o seu equilíbrio físico e mental, a indução é uma boa alternativa a ter em conta. E se necessitar ou desejar, também deve ter à sua disposição a epidural. O importante aqui é que nos asseguremos de que a mulher está plenamente consciente dos possíveis efeitos, mais ou menos positivos, das opções que toma. Durante a minha intervenção no congresso da HumPar, defendi que – segundo pesquisas que realizei e dados estatísticos e evidências científicas que recolhi – a indução e a epidural, apenas por si sós, não predispõem a um maior desfecho por cesarianas. A epidural predispõe a uma maior instrumentalização do parto e é esse conjunto de intervenções que, tantas e tantas vezes, leva à não progressão do processo e à opção final em fazer nascer o bebé por cesariana. Existem muitas decisões que parecem de muito menor importância do que a indução e a epidural e que, no final, se revelam decisivas para o desfecho do parto.

 

Como por exemplo?
Uma grávida entra espontaneamente em trabalho de parto e está num dos pontos mais alto da existência: prestes a ter o seu bebé. Entra num hospital e é-lhe feita a raspagem dos pêlos púbicos, é colocada a soro e deitam-na numa cama à espera sabe-se lá do quê. Transforma-se, com tudo isto, uma mulher cheia de saúde e vitalidade numa paciente. Mesmo sem indução medicamentosa, entrou-se no «efeito dominó» e rapidamente começam a cair todas as peças, que podem levar ou não a uma cesariana.

 

É a esse efeito que dá o nome de «induções mascaradas»?
Trata-se de boa parte dos partos classificados como normais. Uma mulher que está à espera de entrar em trabalho de parto tem, muitas vezes, dúvidas sobre se é a hora certa de ir até à maternidade e é habitual que decida ir quando começam as contracções. E aí é avaliada pelo médico ou pela enfermeira, que deveriam estabelecer a existência de dois critérios antes de afirmarem que o parto teve início: uma dilatação de três centímetros ou mais e contracções regulares cada três-cinco minutos. Se estiverem presentes os dois critérios, o parto é uma realidade. Mas se apenas se verifica um, ou não se verifica nenhum – embora a dilatação e as contracções estejam próximas – está-se perante um pré-parto. E é crucial que os profissionais de saúde diferenciem claramente as duas situações e se for realmente um trabalho de parto, comecem a actuar com base nos protocolos estabelecidos. Em variadíssimas instituições espanholas realizam-se acções para estimular ou acelerar um suposto processo de parto: ruptura da bolsa, administração de ocitocina por via venosa, monitorização fetal electrónica contínua…

 

É um cenário também muito habitual em Portugal…
É um cenário muito habitual em todo o mundo. A questão é que se qualquer uma destas intervenções for realizada a uma mulher que não está em trabalho de parto – embora possa estar em pré-parto –, na realidade o que se está a fazer é uma indução, mesmo se oficialmente não se classificar como tal. E a principal consequência negativa  é o aumento de desfechos por cesariana. Ou seja, muitas instituições apresentam um alto índice de cesarianas, com o argumento da não-progressão dos partos quando, na realidade, a situação inicial não deveria sequer ser classificada como um trabalho de parto! É a pressa que está na origem deste erro trágico. E atenção: por vezes a pressa radica na impaciência e no desejo da mulher em colocar um ponto final na gravidez. Em paralelo com o medo, a pressa é uma das grandes inimigas do parto.

Da Física à revolução nos nascimentos

O percurso que levou a Emílio Santos Leal à vanguarda do movimento que pretende revolucionar o nascimento em Espanha é tudo menos linear. Nascido em Valladolid em 1963, licenciou-se em Física, área em que trabalhou durante escassos três anos, antes de iniciar o curso de Medicina. Corria o ano de 1996 – e Emílio Leal estava a meio da especialização em Psiquiatria – quando participou no congresso «Nacer en Casa» e conheceu Consuelo Ruiz. Esta parteira, entretanto falecida, é conhecida como a musa dos partos em casa no país vizinho e com ela Emílio Leal decide fazer nova mudança radical, já que, como o próprio diz, descobriu que não estava «sozinho no mundo, a pensar que a forma de nascer necessitava de profundas modificações». Data dessa altura a sua adesão à «Plataforma Pró Derechos del Nacimiento».
Terminada a especialização em Psiquiatria, e em paralelo com trabalho desenvolvido em hospitais em Espanha e no Reino Unido, Emílio Leal inicia a especialização em Obstetrícia e Ginecologia, começando a acompanhar Consuelo Ruiz – entretanto com 89 anos – nos nascimentos em casa.
De 2004 até hoje, o obstetra sediado em Madrid, tornou-se uma das mais activas e conhecidas vozes que, no seu país, promovem a consciencialização da opinião pública sobre «o que não está bem nos partos, o que se pode e deve mudar e como fazê--lo». É membro da associação «El parto es nuestro», que tem conseguido grande reconhecimento público e político, e em 2008 foi um dos fundadores do Centro Urdimbre, instituição que reúne profissionais médicos, parteiras, doulas e outros interessados nas características holísticas do parto, com o objectivo de criar uma «rede de apoio às famílias que optam por uma experiência de parto mais positiva e natural.» Experiência essa que pode incluir um parto domiciliário com acompanhamento médico e transferência da mulher para o hospital em qualquer altura; ou um parto em contexto hospitalar, com características de acompanhamento e nível de assistência e intervenção previamente definidos.

Revista Pais¨Filhos

1 comentário:

Costa disse...

"O paternalismo é algo que, numa primeira análise, parece positivo. «Vou salvar-te e, graças a mim, tudo irá correr bem. Por isso, confia»."

Foi isto exactamente o que me aconteceu... e que faz que hoje tenha 2 filhos nascidos por cesariana e, grávida do terceiro, ainda não sinta confiança para me aventurar num parto natural.
Dulce