Sobre o blog:

“A humanização do nascimento não representa um retorno romântico ao passado, nem uma desvalorização da tecnologia. Em vez disso, oferece uma via ecológica e sustentável para o futuro” Ricardo H. Jones

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Decidi cuidar de mim...

Como diz Caroline Myss, a mulher ilustra literalmente o padrão continuo de vida de como a energia se torna matéria através da gravidez, parto e nascimento.

Eu sinto-me renascida!


Sempre que uma mulher está no auge da sua força, do seu poder, promove, anima e "empodera" todos e tudo à sua volta.
Sempre que uma mulher está mais saudável e feliz, cura a terra!
O corpo da mulher é um reflexo da terra! Tudo o que façamos para cuidar de nós próprias, para sentir prazer, para sermos felizes a nível orgásmico, cura todo o planeta.
E eu decidi cuidar de mim mesma!

Comecei por fazer uma limpeza profunda à minha cozinha ( e estou a imaginar a Sofia a sorrir quando ler esta parte ) e sinto uma necessidade imensa de me alimentar de uma maneira mais saudável, de cuidar mais do meu corpo, de me mimar mais, não só a nível físico, mas também a nível espiritual.

Decidi dizer a mim própria o quanto me amo, decidi AMAR-ME!


Não foi fácil chegar até aqui... fui bem fundo, a um lugar chamado "as dores de todas as mulheres", de todas as mulheres que nunca tiveram ninguém com elas durante o trabalho de parto, que foram deixadas sozinhas numa fria cama de hospital, de todas as mulheres que viram morrer um filho, de todas as mulheres que foram violadas durante o parto... e descobri de onde tinha vindo o meu trabalho, e descobri o meu propósito de vida... transformar todo aquele sofrimento em alegria! PORQUE PARIR É UM PRAZER, ao contrario do que nos é dito!

Mas andava muito preocupada com a melhor maneira em ser uma boa Doula, qual seria a melhor maneira de fazer aquilo que tanto amo?


Descobri que o dar interminável se traduz em esgotar-se a dar, e que quem corre por gosto também se cansa :)

Por isso, estou a aprender a ser Mulher em primeiro lugar e Doula em segundo ( acreditem que é difícil ) . Estou a aprender que a minha realização enquanto Doula não pode ser atingida por me esgotar a dar-me, mas dando-me a mim própria e partilhando com os outros.


Estou a aprender a sentir apenas as minhas próprias emoções, sem roubar  ás mulheres/casais que acompanho a sua dignidade individual por sentir também as suas emoções.

Estou a aprender que as mulheres/casais que acompanho possuem o seu próprio conjunto de emoções e caracteristicas que são só suas, e muito diferentes das minhas ;) e eu não tenho de sofrer com as emoções e escolhas dos outros.

Como me disse uma vez ( já foi à 3 anos, mas nunca me vou esquecer das suas sábias palavras ) a minha querida amiga e fantástica Doula Luisa " tu não podes decidir por elas, nem te podes responsabilizar pelas suas escolhas"

Como é bom ser Doula!
Agradeço a todas as mulheres que me iluminam o caminho, grata por fazerem parte da minha vida! O que eu tenho aprendido com vocês... Grata... eternamente Grata!

Um abraço especial à Ana por todo o seu carinho, amizade, mas principalmente porque renasci com ela!

6 comentários:

want a miracle disse...

que bom :)

is disse...

"como é bom ser Doula" e, não é verdade que é tão bom ser Mulher?!?! :)
agradecida, inspiradora Cat.

Rita disse...

Que texto maravilhoso!

Abraço apertado

rita disse...

Como entendo a tua reflexão...não o quanto é ser Doula, porque sou uma principiante no meu acompanhamento de mulheres grávidas e sinto que gostava de fazer muito mais. Mas na dificuldade que tenho em me sentir bem, em não me sentir absorvida, "sugada" pelo quanto gosto de ser mãe. Pedir-me para afastar do JP é arrancar um pouco do meu coração. Dói, ninguém vê mas dói. Fui-me abandonando individualmente e sinto que me tento agarrar pelo que faço pelos meus alunos, pelas mulheres grávidas que querem a minha presença nesta fase das suas vidas.
FORÇA para a mais que tudo Cat

P e M disse...

;o)

Beijinhos,
Pat

Mia disse...

Isto de ser mulher em primeiro lugar é mesmo poderoso, e aplica se em tudo, mulher/mãe, mulher/companheira, mulher/profissão.... Ando a pensar muito sobre isto ultimamente... Obrigada pela tua partilha.