Sobre o blog:

“A humanização do nascimento não representa um retorno romântico ao passado, nem uma desvalorização da tecnologia. Em vez disso, oferece uma via ecológica e sustentável para o futuro” Ricardo H. Jones

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Bebé pélvico ( de cabeça para cima ) = cesariana????

NÃO!
 
Cinco anos após o estudo de pélvicos a termo: A subida e a queda dum estudo controlado seleccionado randomizado. (Five years to the term breech trial: The rise and fall of a randomized controlled trial Glezerman, Obstetrics and Gynecology; Volume 194; Page 20; January 2006).
Desenho do estudo: O autor examina a metodologia do bem conhecido ensaio de nádegas a termo de Hannah e cita as inconsistências.
Conclusão: A maioria dos casos de morte e de morbidade neonatal no ensaio de nádegas a termo não se podem atribuir ao modo de parto. Por outra parte, a análise do resultado depois de 2 anos não demonstrou nenhuma diferença entre os partos vaginais e abdominais dos bebés de nádegas. O autor conclui que a "sabedoria convencional" de cesariana para os partos de nádegas deve ser retirada.

O parto vaginal continua a ser uma opção nos partos de nádegas a termo? Resultado dum estudo de observação prospectivo na França e Bélgica. (Is planned vaginal delivery for breech presentation at term still an option? Results of an observational prospective survey in France and Belgium Goffinet, et al.,Obstetrics and Gynecology Volume 194, Issue 4 , April 2006, Pages 1002-1011).
Desenho do estudo: Os investigadores compararam resultados entre as cesarianas programadas e os partos vaginais de nádegas planeados em 8.105 mulheres na França e Bélgica.
Conclusão: Das que planearam um parto vaginal, 71% tiveram êxito e não houve diferenças significativas nos resultados entre os partos vaginais e as cesarianas.
Fonte: ICAN - International Cesarean Awareness Network ( www.ican-online.org )

 

6 comentários:

mjf e pmp disse...

pois, mas e há profissionais de saúde em Portugal que façam este tipo de parto? ******

Cat disse...

sim, eu sei de 2. uma medica que so trabalha no privado... e não trabalha com seguros... e um medico que se tivermos sorte apanhamos na MAC...

Anónimo disse...

Eu tenho 4 filhos, tendo 2 deles sido pélvicos, a 1ª e a 4ª, ambos nascidos de cesariana. A 1ª nasceu em 2001 de cesariana com trabalho de parto, tinha eu 27 anos. Cheguei ao hospital com 7 cm de dilatação e fui logo para o bloco operatório, tendo feito cesariana com anestesia geral por "falta de tempo". O pós- operatório foi complicado com febre ao 2º dia e infecção da ferida operatória, que só foi detectada 7 dias após a cirurgia, estando eu já em casa, por drenagem abundante de pûs pela sutura. Os 2º e 3º partos foram por via vaginal.
Na 4º gravidez em 2008, após apresentação cefálica, o feto torna-se pélvico a partir das 28 semanas, casmurramente. Apesar de a minha obstetra dizer que nada a faria virar, tentei quase tudo o que é possível (manobras posturais, piscina, meditação, música e luz sobre o abdómen, acupunctura e moxibustão), sem êxito. A posição dos vários médicos era sempre contrária à realização de versão cefálica externa. Falei com o único médico deste hospital que já realizou esta técnica (pelos vistos parece que já não quer fazer), mas após a ecografia recusou-se a tentar a versão por a minha placenta ser fúndica e anterior (5 cm abaixo de esterno), o que não é contraindicação. Falando com os obstetras do hospital, verifiquei que ninguém me faria um parto pélvico, só se a expulsão já estivesse a decorrer ( e isto só os médicos mais velhos).
Ainda com esperança de uma versão espontânea ou de que o trabalho de parto se iniciasse (tenho que referir que os partos vaginais foram muito rápidos, menos de 1 hora entre o início das dores e o nascimento), consegui adiar a cesariana electiva por 4 vezes, mas às 40 semanas lá fui eu para o hospital, sem trabalho de parto, com a sensação que o que eu estava a fazer não era o correcto, que estava a privar a minha filha de alguma coisa. Felizmente, nasceu mais uma filha saudável e linda. Após o parto, na enfermaria de puérperas, uma mulher disse-me que 2 semanas antes deste seu parto (também era o 4º) um obstetra lhe tinha feito uma versão externa no seu consultório privado (é um médico já com cerca de 65 anos que não trabalha no público). A mim, nem em meio hospitalar com a possibilidade de fazer uma cesariana de emergência no caso de complicações me fizeram.
É necessário uma mudança na maneira de nascer e a não adopção de protocolos rígidos, mas adaptados caso a caso.
O meu pai foi interno de Gin/Ob nos anos 60 e fazia partos pélvicos e versões externas em meio rural no Algarve.
Para terminar, sou médica no hospital público onde fui seguida e conheço todos os colegas.

Anónimo disse...

Nasci há 33 anos na MAC e fui uma bebé pélvica! Parto normal!

Cat disse...

mais sobre Bebés Pélvicos
AQUI

Alguns links interessantes sobre o assunto:

http://www.birthinternational.com/articles/andrea13.html

http://www.breechbabies.com/

http://www.icpa4kids.com/webster_technique.htm

http://www.worldchiropracticalliance.org/tcj/2001/aug/aug2001l.htm

http://www.americanpregnancy.org/labornbirth/breechpresentation.html

http://www.e-familynet.com/artigos/articles.php?article=525

http://www.maternidadeativa.com.br/relato05.htmlhttp://parir.blogspot.com/2006/11/meu-beb-est-sentado-e-agora.html

Como virar bebés pélvicos:AQUI

mjf e pmp disse...

fantástico! ainda bem que se partilharam histórias: não tinha ideia das possibilidades!